Pular para o conteúdo principal

Sexta à noite #2 - Percurso

A minha vida está organizada, o meu cérebro não. Depois de muita coisa para fazer esta semana arranjei um "tempinho" para parar e colocar as ideias no sitio.
À três anos para cá,não houve uma semana em que a palavra "universidade" não saiu da minha boca.
O meu objetivo racional é entrar numa. Quando optei por ciências e tecnologias, escolhi porque me dava bem com matemática e ciências e queria entrar numa universidade. Queria ser médica.
Não gostava de línguas e achava que os cursos profissionais era para burros. Mudei totalmente de opinião em relação aos cursos profissionais. Alias, enquanto eu nos próximos meses vou estudar para exames, ouvi um rapaz na biblioteca a dizer que ia fazer estágio para um Zoo. Que é só a melhor coisa do mundo. Atualmente acho que os cursos profissionais é para quem tem certezas do que quer fazer na vida. Quem não tem aumenta mais uns anos de estudo.
Depois dos primeiros testes de 10 ano percebi que não ia ser médica. Estava fora de questão, nunca ía conseguir tirar todos os testes acima de 18. O horário era horrível e era preciso ser excelente a todas as disciplinas. Uma das minhas professoras de 10 ano dizia que a média se faz a partir do primeiro dia do 10 até ao ultimo do 12º. É verdade, todas as décimas contam.
Apesar de ainda estar a meio de 12º, o 11º foi o que mais me custou. Exames, testes, pressões. Já não podia de cansaço. Mas consegui um dos meus objectivos: Passei nos exames.
12º ano o melhor ano que tive na vida. Um horário excelente que me permite estudar e ter tempo para tudo o resto. As minhas notas subiram. E aproximo-me cada vez mais da meta.
Já me inscrevi nos exames deste ano e até já sei o que quero ser.
Sempre vivi com a ideia que queria crescer, ir estudar para longe de casa, tentar tornar-me independente. Pois. O curso que quero existe em 3 universidades e nenhuma é "perto de casa". Quero. Sempre quis.
A verdade é que à frente dos meus pais armo-me em forte e digo que quero. Mas tenho receio. Sinto que ainda sou uma menina que nesta terra desenrasca-se sozinha. Apesar do medo eu vou dar o passo. Eu vou crescer. Há tanta coisa que me espera. Quero continuar o meu percurso.
Neste texto só falo um pouco da minha situação mental, nada de especial.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras