Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

Impor.

Lembro-me perfeitamente de escrever sobre  isto. Estava mal porque me provocaram e eu bloqueei sem saber o que dizer ou fazer. Jurei naquele dia que não voltaria a ficar por baixo de ninguém. E com pessoas próximas da minha idade isso não voltou acontecer. No entanto, quando se trata de pessoas que têm idade para ser meus pais o caso muda de figura. Não tenho por habito ser mal educada com pessoas que são uns bons anos mais velhas do que eu e nem sequer as conheço. Hoje pela primeira vez entrei no comboio sem tirar o bilhete, a estação estava cheia de gente, e demoro mais de duas horas a chegar a casa. Dirigi-me logo ao revisor sem esperar que ele viesse ter comigo. Tinha dinheiro, tudo comigo, mas como competente que é, só passado 3, 4 paragens da inicial é que começou a ver os bilhetes. Começou a ser rude com as pessoas, a querer que elas desviassem as bicicletas, inclusive, uma das pessoas que era dono da bicicleta estava um pouco afastado. Ele não estava a encontrar a pessoa e di…

Bom dia :)

Dás pelo toque do despertador ainda ensonada, toca, toca e passado alguns segundos percebes que sim, o dia começou, as tarefas da próximas horas terão que ser concretizadas. Não, mais cinco minutos. Ok, acorda Catarina que ninguém vem aqui levantar-te. Ligas a luz, pões um braço fora da cama e ainda não é agora. Um, dois, três, salta. Continuas sem ver nada nítido, mas vais pegando nas coisas, toalha, roupa interior, shampoo , gel de banho e abres a porta e deslocas-te à casa de banho. Alguém está cá fora e diz: Bom dia!, assustas-te e respondes com a voz das primeiras palavras da manhã, com um sorriso: Bom dia. Chegas ao espelho da casa de banho e observas-te e pensas, como é que a rapariga não se riu da minha figura com estes olhos e este cabelo terrível? Mas a vida continua. Depois do banho, para ti o dia oficialmente começou, já vês, já sabes falar, esqueces-te é que ainda tens que secar o cabelo e fazer a cama. Corre, falta apenas 20 minutos para a tua primeira aula. Penteias o …

Tag: Meu passado me condena

Oi :) Tenho andado com o cérebro oco para escrever. Para escrever preciso de ter tempo e sempre que começo ultimamente sou interrompida por tarefas da vida em geral e se deixar a meio nunca termino o meu pensamento como queria, por isso alguns textos dos últimos dias ficam em rascunho por uns tempos. 

(1) Já cortas-te o teu próprio cabelo? Arrependeste-te disso? SIM. Na primária lembro-me de ter um caderno feito pela professora que tínhamos que colocar lá as nossas marcas, impressões digitais, desenhos, e havia uma pagina para por um fio de cabelo. Como inteligência que era, decidi cortar a parte da frente meia repa, conclusão, a minha mãe adorou como devem imaginar. Não me arrependo, se não, não era giro responder hoje a esta pergunta. 
(2) Já brigou com um amigo por motivos inúteis? Tenho amizades que a maioria das vezes só falamos por provocações, torna-se divertido. 
(3) Já quebraste alguma coisa e fingiste que não eras tu?  Desastrada como sou já quebrei muita coisa, mas fico com a…

Tag: Divertida

Oi :) estive cerca de alguns conjuntos de segundos a procura de uma Tag que ainda não tenha respondido e esta surgir na segunda pagina de procura do google. Obrigada google e a menina que criou a Tag. Sintam-se à vontade para responder também.
Se fosse um mês... Seria Fevereiro, ambos somos pequeninos e temos orgulho no destaque disso :)
Se fosse um dia da semana...  O meu cérebro está a responder-me segunda. Não sei bem porquê, mas pronto. 
Se fosse uma estação do ano... Facílimo, Inverno mas com sol. Adoro o frio do inverno com o sol a brilhar no céu. 
Se fosse um planeta... Marte. Não consigo encontrar analogias para isto. Talvez porque é tão próximo e é tão difícil saber coisas sobre ele. 
Se fosse uma direcção... Norte, porque sou do Norte carago. Ok Catarina. 
Se fosse um móvel... Um sofá. Não me perguntem porquê, até porque não gosto de ter pessoas em cima de mim.
Se fosse um pecado... Preguiça. Já sou :) 
Se fosse um sentido... Tato. Adoro tocar nas coisas. Sentir as formas e relevos…

Suicídio.

Todos os dias ouço na televisão e pela boca das pessoas que pessoas afastadas se mataram. Bem longe da minha mente nunca pensei muito nelas. Esta semana, um rapaz um pouco mais novo que eu suicidou-se. Nunca o conheci apesar de termos pessoas em comum. Não sabia da existência dele no mundo. Não conheço a sua história nem os motivos que o levaram a fazer isto.Surpreendentemente não vim aqui para o criticar ou para criticar as pessoas que conviviam com ele. A morte dele fez-me pensar na coragem que teve de o fazer e o nível de sofrimento que devia ter em si. Há momentos da nossa vida que batemos, choramos, partimos coisas tudo para tentar acalmar a raiva que sentimos. Existe um nível de sofrimento tão grande que todos estes escapes que nos deixem continuar vivos não permitam acalmar o sofrimento? Parece que sim. Talvez a morte seja a maneira mas alta de chamar atenção para cima de uma pessoa, mas essa pessoa não vai ficar cá para ver isso.Se estas a ler isto, e o teu objetivo é este. P…

O meu primeiro semestre na universidade (:

Só de pensar que há cerca de um ano estava completamente perdida no que ia decidir e hoje estou aqui a satisfeita por ter terminado esta etapa com os objectivos cumpridos. Vou contar-vos um pouco desta aventura nestes meses e para ser mais fácil vou dividir o texto corrido por tópicos assim se te interessar, podes ler os tópicos que preferires. 
Escolha do curso: Desde que me lembro que sabia que saúde era a minha área. No inicio das aulas quando me perguntavam o porquê de ter escolhido Enfermagem dizia que desde muito criança convivi com hospitais e sempre me agradou a ideia de salvar e cuidar de pessoas. Diz-se que só vai para enfermagem quem não tem media para medicina e talvez seja verdade, mas isso não deixa amargura. É como se sempre soubesse que era este o caminho. Estou aprender coisas que me estão ajudar a crescer interiormente enquanto pessoa e a compreensão do mundo. 
Disciplinas e Testes: Tenho uma novidade para vocês, os universitários só chamam cadeira e frequências para …

A comunicação.

O modelo sistemático da comunicação diz que toda a interação humana é comunicação, comportamento gera comportamento que tem significado a partir do contexto. Existem várias leis para a comunicação, a lei do emissor, da credibilidade, da congruência, do recetor, repetição, simplificação, distorção, efeito boomerang, ordem das mensagens e deferencial de percepção. Na categoria não verbal temos a comunicação proxémica que se refere ao espaço, a cinésica aos gestos, paralinguistica à "maneira de falar", a aculésica que é o contacto pessoa, a aparência e o contacto físico. Na comunicação não verbal importa a voz, o tom e a aparência que pesam muito na impressão. A maioria da comunicação é não verbal. A linguagem corporal presenta muito no impacto com a pessoa. A opinião inicial da pessoa demora 4 minutos a ser criada. Existem várias competência da escuta ativa e empática: motivação de ouvir o outro sem preconceito; o contacto visual com o outro, sem intimida-lo; ter interesse ge…

A inteligência e emoção.

Existem três teorias que definem a inteligência. A teoria factoriais ou psicometricas que a inteligência é igual ao factor g. Teoria cognitiva que diz que a inteligência vem dos comportamentos adaptativos. E Teoria contextual que diz que ai inteligência é um conjunto de aptidões. A inteligência não é algo fixo, mas algo que se pode aprender. As emoções são importantes porque são estados subjectivos que preparam o corpo para determinadas respostas. Há três tipos de comportamentos emocionais. Reação fisiológica devido as modificações atribuíveis as emoções. A interpretação cognitiva influenciada pela comunicação. E a vivência subjectiva devido as reações a um estimulo emocional. As emoções têm como funções adaptar ou seja ajudar o organismo a enfrentar as exigências impostas pelo ambiente, motivar, mobiliza as pessoas a responder a situações urgentes e perturbar, sendo um estado continuo de emoções negativas que perturbam a ação. O comportamento emocional informa os outros como nos sen…

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Um grupo.

Um grupo é um conjunto de pessoas com objectivos comuns, que interagem entre si, percepcionam-se como grupo e são identificados desse modo pelos outros. Grupos de amigos ou trabalho, seguem quatro fases de vivência, a nominal, fusional, conflitual e unitária. A fase nominal é o inicio da relação conhecida como a fase das mascaras, as pessoas tentam dar-se bem com toda a gente, escondendo as suas fraquezas e defeitos mostrando o seu lado com cheio de simpatia. De seguida, a fase fusional é como se existisse uma fusão uma união de corpos. As pessoas gostam imenso umas das outras, conhecem-se um pouco melhor e querem estar sempre juntas combinando encontros, saídas para interagirem mais. Daqui mais tarde ou mais cedo chega a fase conflitual. Os membros do grupo começam a chocar uns com outros, existe opiniões mais sinceras, as pessoas começam a não gostar de terminadas atitudes e ter opiniões diferentes nos dados objectivos comuns. Assim criam-se grupos mais pequenos do que o original.…

O meu secundário #3 - Diplomas

Este mês (Janeiro) foi recheado de surpresas uma delas foi acordar e receber uma chamada a perguntar se a minha mãe ía estar presente na entrega de diplomas de excelência e mérito da escola. Toda a minha vida vi pessoas a ser chamadas nas turmas que tive, mas nunca liguei muito porque nunca fui a melhor nem era esse o meu objetivo. Sempre competi comigo mesma, não com os outros. O 12º ano foi um ano cheio de tempo para me organizar e a prova disso foi que consegui subir imenso a minha média. Terminei com 18,2 da melhor forma. Como recebi um diploma no baile de finalistas pensei que não ia receber mais nada até porque na minha turma havia melhores médias. O que posso dizer com isto é que lutem pelos vossos objetivos. No secundário começamos a lutar pelos nossos objectivos para o futuro e com esforço tudo se consegue e quando menos esperarem terão recompensas. 
"O conhecimento torna a alma jovem e diminui a amargura da velhice. Colhe, pois, a sabedoria. Armazena suavidade para o am…

Sorrisos no dia-a-dia #Janeiro 2015

O ano passado no canal da Alice que é uma youtuber brasileira assisti a um video que ela incentivava a cada dia escrever num papel ou no telemóvel algo que nos faz sorrir e no final do mês recordar as experiências. Uma amiga minha, a Juliana, também o fez e colocou no seu blogue, se puderem passem por lá. Houve dias que por preguiça não escrevi e depois quando me tentava lembrar do que acontecer o meu cérebro bloqueava. Então este mês alguns momentos que me fizeram sorrir foram:
(1) Jogo do bingo na passagem de anos apostar 10 cêntimos. Normalmente passo a passagem de ano em vários sitios passeio com os meus pais de um lado para outro e paramos na casa dos meus tios e começamos a jogar ao bingo e apostar 10 cêntimos por cartão. Foi tão divertido. Perdi sempre. Mas foi divertido.  (2) Andar a pé com as minhas amigas. Foi um dia que meu deu na cabeça ir andar a pé para o parque da cidade e fui com a Juliana e Márcia.  (3) Sentir o carinho de uma pessoa logo no primeiro contacto. Já não me…