Pular para o conteúdo principal

Uma semana de Experiências - Voluntariado APN ( 25-31 Julho )


Toda esta aventura começou entre Janeiro ou Fevereiro, quando recebi um e-mail para o mail da universidade a anunciar as inscrições para o voluntariado na associação portuguesa de doentes neuromusculares. Pensei, e voltei a pensar, partilhei a informação com algumas pessoas e acabei por me inscrever sem saber exactamente para onde ía. 
Fui seleccionada a cerca de um mês e dias antes de ir, fiquei a saber que uma amiga minha ia também na mesma semana que eu. 
Uma semana não chega para sabermos interpretar reações, sorrisos ou maneiras de falar, mas senti que todos nos demos a conhecer. Quando vivemos 24h com as mesmas pessoas seguidamente é impossível não sermos as pessoas que temos na essência.
Fui com o espírito de descoberta e vontade de aprender e foi o que mais fiz. Aprendi tanto com estas pessoas, monitores, voluntários e principalmente com as pessoas que vivem o dia a dia com a doença.
Fui para lá apenas a saber que um doente neuromuscular consegue movimentar-se numa cadeira de rodas. Não sabia para onde ia, mas como tudo ultimamente na minha vida, Vai Catarina. É uma doença que vai aumentando o seu desenvolvimento com a idade. Muitos deles já tiveram uma vida dita normal. Desenvolve-se mais rapidamente numas pessoas que outras. E segundo o que me explicaram as pessoas começas a perder as forças do meio do corpo para as extremidades por isso conseguem usar as mãos para movimentar a cadeira a partir do comando e comer, se lhes chegarmos os alimentos perto do seu alcance. O que têm de especial é a forma e a capacidade de pensar, pois esta doença não afeta em nada o cérebro. Conseguimos ajudar e apoiar cada um deles graças a suas explicações de como fazer as coisas.
Foi uma semana cansativa. Deitei-me as 4h da manhã e acordei as 9h, mas tudo valeu a pena. Tive que pedir para dormir uma noite 8h para me compor porque a meio da semana já não aguentava o cansaço.
Apoiar é a palavra. Ajudar é o que significa. Na comida, na casa de banho, a vestir, e despir, colocar protector solar e o que mais nos uniu, acompanhar. Estar presente de coração. Mais que aprender, proporcionar o melhor para cada um deles nesta semana de férias.
Fomos a praia, tivemos um concerto privado em casa, andamos de teleférico e de barco no rio Douro, visitamos um museu, comemos francesinha e terminamos na feira medieval.
Todo este convívio levou-me a ganhar experiência e amigos, pessoas de vários pontos do país que se voltar a encontrar quero parar e conversar, tudo contribuiu para que esta semana fosse tão especial.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras