Pular para o conteúdo principal

O Principezinho


" As pessoas crescidas gostam de números. Quando lhes falam de um amigo novo, nunca perguntam nada de especial. Nunca perguntam: 'Como é a voz dele? O que é que ele gosta mais de brincar? Faz colecção de borboletas?' Em vez disso perguntam: ' Que idade tem? Quantos irmãos tem? Quanto é que pesa? Quanto é que ganha o pai dele?' Só então julgam ficar a saber quem é o vosso amigo." (Capituloo IV) 

"- Amar uma flor de que só há um exemplar em milhões e milhões de estrelas basta para uma pessoa se sentir feliz quando olhar para o céu. Porque pensa: 'Ali está ela, algures lá no alto...' Mas se a ovelha comer a flor, para  essa pessoa é como se as estrelas apagassem todas de repente! " (...) (Capitulo VII) 

"- Duas ou três lagarta terei mesmo de suportar para ficar a conhecer as borboletas. Dizem que são tão bonitas! " (...) (Capitulo IX) 

" A Terra não é um planeta qualquer. Tem cento e onze reis (contando, claro está, como os reis pretos), sete milhões e meio de bêbados, trezentos e onze milhões de vaidosos, ou seja, aproximadamente, dois mil milhões de pessoas crescidas". (Capitulo XVI)  

"As vezes quando queremos ter graça, damos por nós a mentir". (Capitulo XVII) 

"- Os homens? Devem ser aí seis ou sete. Vi-os há uns anos. Mas nunca se sabe onde encontrá-los. O vento leva-os de um lado para o outro. Não têm raízes e isso é muito incómodo para eles" (Capitulo XVIII) 

- " Sim, laços. - disse a raposa. - Ora vê: por enquanto tu não és nada para mim senão um rapazinho perfeitamente igual a cem mil outros rapazinhos. E eu não preciso de ti.  E tu também não precisas de mim. Por enquanto eu sou para ti uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativares, passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo para mim. E eu também passo a ser única no mundo para ti..." (Capitulo XXI) 

- " Conhecemos o que cativamos - disse a raposa - Os homens deixaram de ter tempo para conhecer o que quer que seja. Compras as coisas já feitas aos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens deixaram de ter amigos. Se queres um amigo, cativa-me!" (Capitulo XXI)

- " Vocês são bonitas, mas vazias - insistiu o principezinho - Não se pode morrer por vocês. Claro que, para um transeunte qualquer, a minha rosa é igual a vocês. Mas, sozinha, é muito mais importante que vocês todas juntas, porque foi ela que eu reguei. Porque foi ela que eu pus debaixo de uma redoma. Porque foi ela que eu abriguei com o biombo. Porque foi ela que eu matei as lagartas (menos duas ou três, por causa das borboletas). Porque foi ela que eu ouvi queixar-se, gabar-se e até, ás vezes, calar-se. Porque ela é a minha rosa." (Capitulo XXI)

- "Não, não andam atrás de nada - disse o agulheiro. - Vão dentro do comboio a dormir ou então a abrir a boca. Só as crianças é que vão de nariz emborrachado nas janelas... (Capitulo XXII)

Este livro sempre esteve no meu quarto. Peguei pela primeira vez nele esta semana. Fascinou-me. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras