Pular para o conteúdo principal

Catarina e o Mundo ' Verão 2015


Hoje decidi parar. Organizar tudo o que aconteceu, tudo o que fiz. Esta brincadeira da Catarina e o mundo era para ser todos os meses, mas este verão senti que não tinha tempo para usufruir da memória. 
No inicio do Verão meti na cabeça que tinha de arranjar um part-time para juntar algum dinheiro de parte para tirar a carta. Perdi o meu orgulho à palavra não e corri praticamente toda a minha cidade a pedir emprego. Comecei a ficar frustrada por não estar a conseguir nada e até me dei ao trabalho de fazer um currículo com as minhas habilitações que consistiam em ter feito alguns voluntariado e ter o secundário feito. Na altura fiquei mesmo triste por as pessoas acharem que não era capaz. Dia após dia fui desistindo da ideia. Nesse ultimo dia, lembro-me de ter ido sozinha inscrever-me numa pizzaria/pastelaria. Foi o primeiro sitio que as empregadas não olharam para mim com cara de quem eu lhes ia tirar o lugar. O certo é que continuei com a minha vida e quando eu já nem me lembrava de ter procurado tanto e deixei de ter esperança, recebi uma chamada. OBRIGADA, tive que recusar porque já passava do meio de Agosto, e iria trabalhar menos de um mês. Percebi que receber um Sim não é fácil, mas é possível e só posso agradecer por isso.
A vida trás te experiências, e esta foi bastante enriquecedora para perceber que saúde é a que realmente quero, é a área onde me imagino.
Na semana a seguir ao voluntariado fui acampar com as minhas amigas. O cansaço estava acumulado da semana anterior, por isso tenho pena de não ter ficado mais tempo e não ter aproveitado mais. Contudo aqueles dias que lá estive percebi que amizade é uma bênção que tem que ser acarinhada e bem tratada. 
Não sei como é convosco mas o mês de Agosto para mim é o mês da família. Convivo com um maior numero de familiares em Agosto do que no natal.
No final de Agosto, a cerca de uma semana e pouco. Aconteceu um momento que para mim ainda é demasiado pessoal  e não me sinto bem a partilha-lho no meio de todas estas vivências. Apenas posso dizer-vos que tenho uma família e amigos incríveis que não me deixaram sozinha. Estiveram sempre lá, mesmo quando virei Maria Margarida arrependida. Aprendi que tenho sentimentos e dar valor ao apoio e a presença das pessoas na minha vida.
Aconteceu muito mais, mas isto foi o que me marcou. Claro que me fartei de fazer praia e piscina em casa de amigas. Fiquei morena apesar de já estar a perder a cor. Também fui conhecer Espinho e já posso ser uma verdadeira guia turística no local, ruas pares e ruas ímpares.
Por agora fico por aqui, beijinhos.

Ouvi: Passenger - Heart's On fire 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…