Pular para o conteúdo principal

Catarina e o Mundo ' Setembro 2015


Já vamos a meio de Outubro e só hoje me apeteceu falar de Setembro. Este mês trouxe algumas mudanças na minha vida. 
No final do mês de Agosto a pessoa que me ensinou o que é o verdadeiro amor, o que é gostar realmente de alguém, a colocar a vontade dos outros a frente da minha, faleceu. A minha querida avó. O melhor exemplo, a pessoa que quando for grande quero ser como ela, com todos os seus valores e princípios. 
Normalmente para reagir a algo, o meu primeiro passo é entrar em modo pi, não consigo pensar, não consigo sentir. Apenas respiro. Até que dei por mim a chorar sem controlar apenas a ter uma conversa normal. Tenho amigos e familiares fantástico que não me deixaram sozinha e foi o melhor que podiam ter feito. Aquela ideia que os amigos são para as ocasiões, é mesmo verdade. 
O meu aniversário aproximava-se mesmo no inicio do mês. Sabia que não queria uma festa, não tinha condições para isso. Foram dias que eu não sabia nada da vida basicamente. Dei por mim uma tarde inteira do dia de anos sozinha em casa a lamentar-me de ninguém me dar atenção. Quando o meu querido pai decide convidar-me para ir tomar um café com ele e dá-me uma nota de 20 euros para a mão. Estamos a sair do carro e ele começa a mandar mensagens. O meu pai a mandar mensagens, um momento para recordar. "Mas importaste de andar?" Quando dei por mim, olho para horizonte e estão lá todas as pessoas que se eu festejasse o aniversário iria convidar. Todos sentados numa mesa a rirem-se da minha cara. Resmunguei toda a noite, porque eu não sei ser simpática em situações assim, mas a verdade, é que não podia ter sido melhor. Obrigada <3
Na semana seguinte começa a brincadeira de andar a visitar escolas de condução da terrinha. A minha terra é rica em escolas de condução tem umas 14, das quais 5 estão no centro. Comparar preços, coisas e simpatias, e atualmente e finalmente a Catarina anda a tirar a carta. 
Setembro é sinonimo de aulas, por isso como devem calcular encontro-me a escrever isto deitada na cama no quarto da residência. Está a ser um inicio diferente, trabalhoso, mas engraçado. Conheci imensa gente e achava que este ano ia restringir-me apenas a quem já conhecia pelo habitat ser o mesmo.  Fui ao jantar de curso e coisas do género e foi muito giro.
Por ultimo, também tive de me decidir se iria deixar de dar catequese. A verdade é que não consigo. Existe sempre um pequeno espaço no meu horário para me dedicar as crianças. Infelizmente por questões de conciliar horários vou começar com um grupo novo, vai ser uma nova experiência.
Foi um mês cheio de sentimentos e decisões, uma correria assim dizer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras