Pular para o conteúdo principal

A minha primeira semana na Universidade.

A vida funciona da seguinte forma: Empurra-te e tu vais. Com algumas reflexões que tenho enquanto olho para o céu chuvoso, só consigo pensar que estou adorar. Vou organizar aqui as ideias por tópicos.


Estou na Universidade de Aveiro (mais concretamente na escola superior  de saúde da universidade de Aveiro ) a estudar Enfermagem.

Mudança de Horários: Achava que acordar sedo era 7h30. Para mim agora acordar as 7h30 é como muita gente dormir até ao meio dia. São 5h30 da manhã e o despertador toca para eu ir acordando que tenho de apanhar um comboio as 6.30h se quero estar na universidade as 9h. Quando digo isto as pessoas que vou conhecendo, elas ficam chocadas, eu própria se me disserem que eu faço isto, nem acredito. Tenho encontrado pessoas que vão também para as suas universidades a mesma hora que eu, que andavam comigo antigamente (até parece que foi a muito tempo, tipo 3 meses) no secundário. Depois de apanhar o primeiro comboio, apanho o segundo e nesse vou na minha hora de sono. É altura de ir com os fones nos ouvidos, de olhos fechados a dormitar até a ultima paragem, sem qualquer tipo de conversas para não perder energias. De seguida apanho o autocarro a porta da estação e rumo a universidade ainda a dormir. 

Chuva: Não é que eu eu tenha ido a Aveiro muitas vezes mas ainda não apanhei um dia que não chovesse a potes. Por isso o lema é: Não vás para Aveiro sem guarda chuva. Tenho cumprido é verdade. 

Aulas: Esta semana, pelo sentido do horário, visto que as aulas a sério só começaram na quarta, só tive Anatomia e Fisiologia I, tinha supostamente mais coisas, mas os professores avisaram que não havia. A disciplina (cadeira, estou habituar-me) que mais pessoas reprovam, porque é muito, muito difícil, disseram os professores e os alunos mais velhos com quem falei. A verdade é que na aula de quarta senti que a senhora estava a falar uma língua no qual eu não prenunciava nada. Senti dificuldade é verdade, mas se eu me meti nisto e quero ser uma boa profissional, eu vou estudar anatomia e fisiologia com a maior lógica que conseguir. Disseram que deixar esta cadeira em atraso  não era vergonha nenhuma. Mas eu acabei de entrar porque que vou desistir já. Em vez de aprender latim ou grego, aprendo outra língua chamada Anatomia e Fisiologia I. Porque a posição anatómica, posição supinação e a pronoção, vão fazer parte do meu vocabulário. Eu acredito que é possível fazer todas as disciplinas e se esta é a que tenho mais de estudar, eu estudo. Como disse o meu professor de prática hoje, se não soubermos os nomes técnicos podemos curtar uma perna errada a alguém e serviços de saúde não podem ser brincadeira. Dou por mim no comboio a observar as pessoas e a pensar no plano horizontal, coronal e sagital dos seus corpos. O lado bom desta disciplina é que qualquer pessoa serve de imagem.  

Pessoas: No meu curso somos 70 e tal, e ficamos divididos em 4 turmas para as aulas práticas. A minha turma já conheço praticamente todas as pessoas. O resto vou falando e sei alguns nomes, mas acho que vai dar com o tempo para conhecer toda a gente. Neste aspecto tenho adorado porque são pessoas muito acessíveis. Outro lado bom é conhecer pessoas acima dos 30 anos ou a volta deles a começar connosco, dá outra abertura mental. É incrível. 

Faina (Praxe):Quarta feira é santa, porque não chove a quarta feira à tarde, é impossível, comprovei!   Em conjunto somos Aluviões,  Antigamente não entendia como é que a Faina podia integrar as pessoas, ontem percebi que aquilo era muito divertido e que realmente as pessoas acabam por se conhecer e se unir umas as outras. Achava que não era capaz de gritar ou cantar alto, mas não parei de o fazer. A vergonha de fazer figuras desapareceu totalmente de toda a gente que estava a minha volta. Estávamos todos ali a dançar e a cantar (gritar  bem alto). Muitas vezes a olhar para o chão ou de testa nele. Diverti-me imenso e aposto que vou continuar a adorar. A sensação de estar a ir para casa e as pessoas na rua perceberem que já estas naquele mundo é brutal.

Alunos mais velhos: O ambiente académico se for sempre assim é fenomenal. As pessoas estão sentadas no mesmo banco e começam a conversar. Partilham opinião disto e daquilo, dando o seu ponto de vista e ajuda sobre as nossas duvidas. Toda a  gente tem sido prestável, conheci uma rapariga muito simpática que me vai arranjar em formato digital o livro de anatomia que custa uma fortuna. Outra que a meio da faina percebeu que éramos da mesma terra (e isso é difícil encontrar por lá) se tivesse algum problema só precisava de falar com ela. E mais três que no comboio por mera coincidência sentei-me ao lado delas  e perguntaram se era de saúde e fomos a falar o caminho todo. 

Tudo isto tem sido uma aventura que me tem dado muito gozo viver. Com algumas dificuldade é verdade, tudo está a ser memorável. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras