Pular para o conteúdo principal

18 anos.

Eu achava que 2011 tinha sido o ano da minha vida, mal eu sabia que 2014 era o ano da chegada dos meus 18 anos. Sempre a bater com a cabeça o ano em que eu mais cresci como pessoa. Não sei muito bem como é que isto tudo se processou, nasci cresci e olha já sou adulta de idade. Nasci prematura, passei uns dias na incubadora, era um franguinho pequenino que as pessoas acreditam pouco que sobrevivesse. Entretanto engordei e fiquei com umas grandes bochechas no rosto. Dei cabo da cabeça dos meus pais, quando me chateava ficava amuada e dava a mão a outras pessoas na rua (foi só a um velhinho, a minha mãe pode confirmar). Com 4 anos fui para o infantário e tive que fazer um desenho que me identificasse. Como já era bastante criativa na altura foi uma espécie de roda a rodar para dentro como a carapaça de um caracol. Com 6 anos fui parar a uma turma com uma rapariga e o resto rapazes, bons tempos, segundo pessoas que se lembram desta fase da minha vida eu ensinava-lhes muitas coisas. Com 9 anos tive em mãos a minha primeira negativa num ficha sobre os Reis de Portugal. Com 10 descobri o que é uma relação aberta enquanto ouvia as raparigas do 9º ano falar disso no autocarro. Com 10 também fui 5 vezes de ambulância da escola para o hospital. Com 12 vi muitos filmes de terror na biblioteca da escola com os meus amigos. Com 13 fiz um puff que atualmente está na minha sala, gosto muito de me sentar lá. E a partir dos 15 vão ler todas as outras publicações.   Entretanto vou entrar numa universidade e tenho uma conta no banco e estou adorar isto. 
A minha vida não é só isto que me pôs para aqui a relatar, é muito mais, é a minha família, o meu pai, a minha mãe, que me foram educando o melhor que puderam, que me deram na cabeça sempre que necessário e continuaram a dar porque nunca serei totalmente adulta, responsável e arrumada. Ao resto da minha família mais próxima que me ensinou a ver a vida também pelos seus olhos. As minhas amigas e amigos, poucos, mas únicos. Pessoas fantásticas que lidam comigo, com a minha falta de atenção, com o meu mundo cor de rosa, com o meu total atrapalhamento com a vida em geral o melhor que conseguem. Obrigada. 
Obrigada por terem passado o dia tão importante, como o ontem, comigo, não pelo facto de eu ter feito 18 anos, mas por terem feito do meu dia, o dia mais especial de todos. Os sorrisos que me deram,  tocaram-me no coração. Obrigada, foi muito bom. 

Para as pessoas que seguem aqui no blogue mais frequentemente este verão, também fica aqui o meu Obrigada, agora com o inicio de uma nova etapa só vou voltar as escrever quando o meu coração assim o quiser. 

Comentários

  1. Muitos parabéns! Um bocadinho atrasados =) Espero que esta nova etapa te traga muitas alegrias.

    Beijinhos,
    http://mrswonderlandby2.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…