Pular para o conteúdo principal

O barulho dos cegos.

A minha opinião racional diz que ser cego é a pior doença que se pode ter enquanto cá se habita. A ideia de não puder ver o mundo e as pessoas com quem interajo é assustador. Não saber se estão a sorrir para mim ou a fazer-me caretas ou simplesmente se me deixam a falar sozinha porque não estão a prestar atenção. Toda a ideia que tenho da cegueira é triste. 
Entretanto tenho a plena noção que pessoas cegas, não são só cegas. A doença não é a pessoa, a doença é só uma mera característica que a pessoa usufrui  durante a vida terrena. 
Hoje conheci um senhor mas ele não me conheceu a mim. No comboio enquanto eu estava aborrecida com a minha vida e a viagem que nunca mais acabava, estava um senhor em pé, acompanhado por uma senhora e um pau auxiliar de adaptação à vida.  Ao agarrar o barão para se segurar as primeiras palavras que ouço da boca dele foram: "Coitado estou a magoar uma pessoa." Chamou-me à atenção, olhei para os olhos dele que sorriam sem lhes ter conseguido ver a cor. Senti uma total vibração de felicidade na aura dele. Então continuei a ouvi-lo contar piadas à senhora. Observei o resto das pessoas da carruagem, eram pessoas como eu, aborrecidas com a vida em geral a olhar umas para as outras, observar os defeitos físicos sem prenunciar palavras ou sorrisos. Ele continuava ali, a ser o centro das atenções, a certa altura para mim deixou de ser o centro da minha atenção pela cegueira, começou a ser o centro da minha atenção pela sua conversa no meio do silêncio aborrecido das outras pessoas sobre literatura e o Estado Novo. Entretanto fechei os olhos e ele saiu sem que eu desse por isso.
A minha opinião emocional diz que tenho todo o respeito e maior carinho por pessoas com problemas visuais. A forma como sorriem, como mostram interesse na vida, como ligam aos sentimentos como me fazem acreditar que tudo é possível, é maravilhoso, é realmente magico. 
Este senhor não sabe da minha existência, mas obrigada por me ter feito acordar. 

Uma espécie de anjo que chegou e gritou ao meu ouvido sem saber que o fez: "Estas a reclamar exactamente do quê? Vive criatura, mesmo com dificuldades empenha-te enquanto cá estas!"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras