Pular para o conteúdo principal

Catarina e o Mundo ' Abril 2015

Para terem uma pequena noção, nem notei que abril acabou. Abri agora o meu blogue, olhei para o calendário e percebi que já estamos no terceiro dia de maio. Coisas que acontecem. Se Março foi o mês do verbo partir objetos, abril é o mês dos sentimentos. O mês que senti que este ano é tudo há base do choque que as coisas acontecem na minha vida. Não foi um mau mês em termos materiais, as coisas foram correndo e tive vários dias que me ri e diverti. Consegui tirar uma boa noto anatomia e superei cada obstáculo que acorreu.
O que vos posso dizer é que foi um mês de reflexão sobre o amor e amizade. Como entrei para universidade sem conhecer ninguém, estes meses tenho conhecido muitas pessoas, e vivendo fora de casa fui-me habituando a elas a ponto de quase as considerar a minha família fora de casa. Houve uns dias que me senti muito sozinha. No meio de tanta matéria, tantos trabalhos, as pessoas convivem a volta de tudo isso, e acabam por não conhecer o lado interior das pessoas. Senti que algumas pessoas estavam na minha vida apenas ocupar o lugar de colega que estão presentes nos trabalhos e mandam umas piadas, dão para passar um bom tempo a rir, mas se quiser desabafar, não vão entender que é o que mais preciso. Senti também que estava um pouco afastada de pessoas que já me fizeram muito bem e eu estava esquecida delas. Com isto tudo, as minhas amizades anteriores a universidade de novo mostraram-se bastante presentes, e tudo se tudo se tornou mais fácil. Não me posso esquecer também da pessoa que posso sempre contar, que fartou-se de me ligar todos os santos dias, que me aturou e sei que vamos sempre nos aturar.
No que toca ao amor, posso dizer que há dias li no facebook um rapaz que conheceu uma rapariga num dia, e dois dias depois já namoravam e atualmente são felizes alguns meses juntos. Eu devo ter um problema, porque apenas dar um abraço ao rapaz que tem um sentido especial para mim, é um problema, sento-me totalmente desconfortável por ser a pessoa que mais quero abraçar. Eu sou assim, provavelmente se gostar muito de alguém, para mim torna-se mais difícil mostrar sentimentos.
Em termos práticos este mês fiz um jantar com a minha família de faina e foi super divertido. Experimentei um 'chote' (desculpem por não saber escrever) que começamos por lamber sal da mão, bebemos e de seguida come-se laranja, senti-me uma ignorante ao fazer aquilo, mas foi divertido.
Piquei pela primeira vez num braço um rapaz da minha turma, e foi basicamente isto que me marcou.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras