Pular para o conteúdo principal

Falar, não falar?

A vida social é complica, ser popular nunca foi uma das minhas opções definitivamente. Nas ultimas semanas, ando a deparar-me com situações em que não sei como me comportar. E quando isso acontece eu penso antes de agir e sai asneira porque não sou eu ao natural.
As pessoas que me conhecem, que são minhas amigas, que me tratam bem, dizem que eu tenho um ar engraçado e falo muito sem pensar, tenho a minha graça sem magoar ninguém (sim, quando eu penso antes de falar, sim eu posso-te magoar com uma simples "provação").
As pessoas que não me conhecem, que não lhes mostro o que sou, são capazes de me achar um pouco sem graça, de poucas palavras e senhora do meu nariz. A verdade é que consigo ser isto, porque penso antes de agir, meço as palavras ao milímetro e protejo-me ao máximo com poucos sorrisos.
Depois há as pessoas que entram na minha vida e me conquistam sem eu perceber, acabaram por conhecer a faceta não pensar, começam a achar-me graça e eu devolvo o mesmo carinho, mas quero mais atenção, não sei porquê, torno-me exigente com este tipo de relações, exijo demasiado das pessoas. Elas fartam-se de mim e afastam-se (caldo entornado): eu fico a nora, ainda agora entraram na minha vida, afastam-se e eu tento aproximar, paro e a pessoa volta, e cria-se uma bola de neve do gato e do rato e termina com o rato e o gato em estradas diferentes. Porquê? É a pergunta. Porque comecei  a pensar antes de agir por não saber como me comportar.
Passemos a outra situação, amigos dos amigos, pessoas que conheces num dia porque têm uma tarefa em conjunto. Falas, não falas?Sorris talvez.
Gostava de saber se este tipo de tema passa pela cabeça das pessoas. Faz diferença?
Para terminar, não quero pessoas em patamares de  importância na minha cabeça, isso determina a minha maneira de agir. Também não penso se começo a andar com o pé direito ou esquerdo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras