Pular para o conteúdo principal

The Throwback Tag

Olá, hoje trago uma Tag que já estava a pensar fazer à muito tempo. Como de costume tem que se desafiar alguém a fazer também, e eu vou desafiar a Juliana Rodrigues, deixo aqui o blogue dela:
uma-vida-por-palavras.blogspot.pt
São 15 perguntas sobre a minha infância, espero que se divirtam e se identifiquem um pouco comigo. Encontrei as perguntas em inglês e brasileiro, tentei "traduzir" para português.

As perguntas:

1. Em que ano nasceste?
R: Nasci em 1996.

2.Uma fotografia tua.


3. Quais eram os teus desenhos animados preferidos?
Toda a minha infância vi televisão, a minha casa era conhecida por ter televisão em todas as divisões, menos nas casas de banho. Era muito bom para passar o tempo.
Lembro-me que adorava ver Pokemon, as fadas Winks, Bratz e Tom e Jerry.
Ficava maravilhada com os desenhos animados do Disney Channel, que via ao sábado de manhã. Não tinha o canal, via na Sic.
Lembro-me de ver os desenhos animados do canal Cartoon Network, mas não me recordo de nenhum nome.

4. O que querias ser quando crescesses? Continuas a querer o mesmo?
Desde sempre quis ser médica. O mundo da saúde fascinava-me. Nunca quis ser outra coisa. Atualmente continuo a querer seguir o ramo da saúde, no entanto, médica não serei de certeza, não tenho média.

5. Video teu.
Fiz alguns vídeos já maiorzinha, com 10, 11 anos. Imitei a serie Icarly com uma vizinha. E fiz alguns videos a dançar e cantar karaoke com a minha prima. Bons tempos.

6. Quais eram os teus brinquedos favoritos?
A minha mãe guardou a minha roupa de bebé durante muito tempo (atualmente não sei onde anda) , e eu queria muito vesti-la os meus Nenucos, mas não servia. Um dia fui ao DeBorla e tinha lá um boneco à medida. Pedi muito muito. Eles deram-me. Foi o melhor boneco de sempre, trocava-lhe de roupa sempre que queria e era otimo para abraçar.
O meu pai, com os pontos que ganhava na gasolina, comprava muitos animais, tipo dinossauros, leões, zebras. O meu quarto virava uma selva, adorava.

7. Qual é a coisa mais embaraçosa que te lembras de fazer?
Não me lembro de nada assim embaraçoso. Vou usar esta perguntar para recordar alguns momentos. Lembro-me de bons momentos.
Lembro-me das melhores festas de anos que tive 6,7 e 8 anos, sou capaz de me lembrar dos bolos, um deles foi com a minha cara com um foguete que dava muita luz.
Lembro-me que até os meus 7,8 anos só usava a parte de baixo do bikini.
Lembro-me de um dia ter muitos ciumes da minha mae dar muita atenção a uma amiga minha e eu ficar tão chateada que lhe fechei a porta e ela ficou fora de casa.
Lembro-me de brincar cá fora, e fazer de uma pedra um carrinho em cima do carro do meu pai. A única vez que levei uma boas "sapatadas" dele.
Lembro-me de ir brincar para fora de casa e juntar-se um bom grupo de crianças comigo. Jogar a bola e andar de bicicleta. Por falar em bicicleta, lembro-me de subir a rua toda com a bicicleta à mão para descer sem travões.

8. Lê uma coisa que tenhas escrito na primária.
Os meus cadernos da primária estão no sótão. Naquela altura as minhas notas a português eram fraquinhas porque lia muito mal e dava muitos erros a escrever. A meio do ciclo é que comecei a dar mais importância a leitura e à escrita, até lá só gostava de números. Acho que não devo ter nada de interessante.
Há, deve andar por aqui perdido um diário em que apontava o nome dos meus possíveis namorados. Acho que ainda me lembro da lista de cor.

9. Três músicas que gostavas de ouvir quando eras criança.
Se me puseres a ouvir uma música do Toni carreira dos anos 2000 para trás ou para a frente, provavelmente eu vou saber de cor. Porque cresci a ouvir Tony Carreira e Marco Paulo. Claro que também dou uns toques nas músicas do Quim Barreiros.  Também era uma fã incondicional da Floribella e das Chiquititas (as vezes dou por mim a cantar músicas delas).

10. Qual era a coisa mais engraçada que vestias no Halloween quando eras criança?
Não me recordo muito bem com que idade é que comecei a celebrar o Halloween, deveria ter uns 10 anos. Nunca usei assim um fato original, vestia-me de bruxa ou diabo, uma vez foi de homem.
No Carnaval, até aos meus 10 anos celebrei, atualmente deixou de ter graça. Lembro-me de me vestir de coelho (amei), capuchinho vermelho, super mulher, cozinheira... Por acaso não me recordo de me mascarar de princesa.

11. Conta uma história engraçada.
 Os meus pais contam que para eu comer ou dormir quando era pequena tinham que ir passear comigo de carro. A verdade é que atualmente, depois de andar 10 minutos de carro ganho sono e se tiver no banco de trás provavelmente vou adormecer.

12. Coisas especiais que tenhas mantido desde criança.
Desde criança a minha relação com o meu pai é muito há base do gozo, no decorrer de um mês temos que andar os dois a "batatada". Imaginem um ringue de luta e termina da mesma forma.
Com a minha mãe, só adormecia na minha cama com ela o meu lado a dar-me a mão, só adormecia de mão dada. Ela tinha que esperar que eu adormece-se para ir para a cama dela. Foi difícil começar adormecer sozinha. A partir dos meus 12 anos é que comecei a gostar da cama só para mim. Ainda hoje gosto que ela me venha fazer um bocado de companhia a ver televisão.

13. Uma coisa estranha que costumavas fazer em criança.
Lembro-me que tinha uma boneca gigante que servia para por as tatuagens que saía nas batatas fritas (naquele tempo, constavam 75 cêntimos). O meu pai nem podia ouvir falar em colocar aquilo na pele.
Outra coisa muito estranha, que neste caso não fazia, até aos meus 14 anos não comi chocolate, não gostava, achava azedo, mau. Hoje já nem vivo sem ele. Há quem comece a fumar, eu comecei a comer chocolate.

14. Uma coisa assustadora que aconteceu quando eras criança.
Estava com dois amigos na primária e passou uma carrinha branca, lembro-me que o homem abriu o vidro e disse que nos ia raptar. Fiquei mesmo mal naquela altura eu sonhava com tudo que era rapto. Tinha uns 6 anos.

15.O mundo está diferente de quando eras criança?
O mundo está igual, com o azul do céu quando as nuvens desaparecem e  os arbustos do outro lado da rua. Hoje sinto que ainda não cresci muito, ainda tenho muito para pedalar. Tenho a idade que tenho e já sinto falta de algumas coisas que acabei de recordar. Hoje sou mais independente, não estou a espera que resolvam os problemas por mim, nem que tudo se resolva com choro de revolta.
A olhar o mundo de outra maneira noto que tenho muito para aprender.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…