Pular para o conteúdo principal

O meu secundário #2 - Núcleo de pessoas e escolhas.

Estava decidida a conhecer pessoas. Nas primeiras semanas conheci meia escola, os amigos dos colegas, os primos, tios e enteados. Como todos estávamos a sofrer do mesmo foi fácil dizer: "Olá eu sou a Catarina..." falar de tudo e de nada começou a unir-me as pessoas. Percebi facilmente onde me integrava. 
Passado uns 1 mês, 2 os amigos dos primos dos colegas já era só sorrisos e ou nem nos falávamos. Quem era preciso ter entrado na minha vida, já tinha entrado para o bem e para o mal.
Conheci todos os feitios existentes no planeta. Simpáticos, antipáticos, os que estão literalmente nas tintas (são os que mais gosto), os coitadinhos que têm sempre desculpas, os leais, os sinceros, os amigos e a paisagem. 
Aparentávamos uma turma unida. Realmente éramos no que contava a copiar nos testes. Mas fez-me bem sermos uma turma pouco unida, aprendi a distinguir os amigos dos colegas. 
Fiz as melhores amizades do mundo. Demorou, como demora sempre comigo, para chamar amigo. 
Conheci pessoas que eram capazes de prejudicar só para se rirem. Cada um por si, uns contra os outros se necessário. 
Ocorreram  situações fantásticas, como organizarem-se para apanhar uma bebedeira. No qual respondi que não, no 10 ano, achava que nunca ia beber álcool na vida. Vi uma amiga bêbeda e não gostei da experiência. Admito era uma menina "certinha" não queria correr riscos desnecessários. Fui sempre pelo caminho mais seguro. 
No segundo período por ia, a FQ não estava fácil, o professor não explicava e eu tinha que ter nota aquela disciplina. Houve um dia que o professor decidiu fazer uma questão surpresa, algo assim. Combinamos "entre todos", unidos pela desgraça, deixar tudo em branco. Não o fiz. Respondi a pergunta e respondi acertadamente ainda por cima. No entanto, tinha usado a calculadora do professor, visto que não tinha a minha. Uma das minhas colegas não tinha. Acusaram-me de copiar só por ter sido a unica ou uma das 2 pessoas que respondeu aquilo não sei. Não vieram falar comigo sobre o assunto, fizeram queixa ao professor a minha frente numa aula.  Percebi que sim, não me uni, porque não fazia sentido, tive que levar com a "troco" de algumas pessoas. 
Há escolha que fazemos na vida que não vão agradar a todos, porque ninguém nos quer ver melhorar. 
A lei é: Ou estas ao mesmo patamar que eu, ou melhor do que eu não vais ficar. A inveja e o egoísmo fala assim, ainda bem que os conheci pessoalmente, percebi do que são capazes. 

Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras