Pular para o conteúdo principal

Tag - Universidade

Olá pessoas. Hoje tive o meu ultimo exame, finalmente considero-me quase de férias, falta-me receber apenas duas notas. Já não me sentia sem nada para fazer à anos de vida. E com isto tudo o primeiro ano na universidade praticamente acabou. O ano passado, antes de começar vi várias pessoas a responder a esta Tag e agora também me sinto capaz de o fazer. Bora lá ;)



1. Quando é que ingressas-te na universidade? 
Entrei na universidade este ano 2014/2015.

2. Em que curso estás?
Enfermagem na Universidade Aveiro.

3. Sempre soubeste o que querias seguir ou foi uma escolha de ultima hora? 
Mais ou menos as duas. Desde menina que queria ser médica, enfermeira. Médica percebi que não no primeiro teste de matemática que fiz no secundário quando tirei 14 e fartei-me de estudar. Enfermeira durante os três anos de secundário deixei um pouco de parte pelo desemprego, blá, blá. Pensei em ir para Reabilitação Psicomotora ou Ortoprotesia penso eu, Evora, Lisboa ou Algarve. Para os meus pais seria muito difícil de suportar os custos. Por isso decidi optar pelo sonho de menina, que hoje percebo que é o que realmente queria.

4. Porque que escolheste o curso em que estás e com que objetivos?
Desde sempre soube que saúde era a minha área só de pensar em engenharias ou línguas dá-me a volta ao estômago. O meu objetivo é poder ajudar as pessoas. Imagino-me nos países pouco desenvolvidos a contribuir para melhor a saúde com o que aprendi. 

5. O que achas da tua universidade? Pontos negativos e positivos. 
Eu gosto de cá estar. Não me arrependo nem um bocadinho da minha escolha. Não encontro aspectos negativos, a não ser por vezes a dificuldade de falar com um professor que nem conheço, mas é o regente da cadeira, por isso tem que ser ele com quem se resolve os assuntos.
O resto tem boas condições, as salas são equipadas com o necessário, as pessoas são simpáticas, tenho acesso a tudo facilmente, como biblioteca, cantina ao jantar e almoço, e as residências têm condições bastante boas e Internet de borla. 

6. No geral como tem sido a tua experiência? 
Foi um ano de aprendizagem como pessoa. Acontecem-me coisas de outro mundo, mas acabo por me desenrascar. E só tenho agradecer por isso. A ultima foi pensar que o exame era de tarde, e afinal era de manhã e eu ainda estava em casa. Fui a voar para Aveiro, há pessoas com sorte, e eu sou uma delas, que fui parar a lista dos últimos, em que os exames começavam as 10h, mas eu fui parar a lista dos 10 que sobravam e fiz ao 12h. Acordei as 8h, 8h30 estava na estação, as 11h cheguei Aveiro. Nunca mais na vida não vou verificar a hora do exame, aprendam comigo. 
Aprendam a ser responsáveis, mas não da pior maneira como eu.

7. E em relação as praxes, foste praxada? O que achaste dessa experiência? 
Sim. Tenho uma prima um ano mais velha que eu que me deu umas dicas. Mostrou-me que as coisas que nos dizem, por vezes não eram assim tão literais.
Em Aveiro, a praxe (Faina) é uma vez por semana as quartas a tarde, ninguém chama nomes ou diz palavrões, prometi a mim mesma que não iria faltar a nenhuma e sem duvida foi uma das melhores experiências deste ano.

8. Qual a diferença entre a escola secundária e a universidade para ti? 
O que mudou foi: a desculpa de não saber porque o professor não explicou bem não existe. Ir a aulas teóricas nem sempre é útil. A matéria não são 100 páginas, são simplesmente mais de 600. Vivo "sozinha" durante a semana, e aprendi a cozinhar.

9. Achas que a universidade é uma mais valia para quem quer seguir e ter o emprego desejado?
Sim, há determinadas profissões, quase todas em geral que só se pode exercer com o curso tirado.

10. Achas a experiência de estudar fora da tua cidade importante? 
SIM! O que eu mais queria era estudar fora da minha cidade. Não para fugir aos pais, mas para crescer, porque achei que já estava na altura. Eu não cozinhava, fazia-me impressão andar na rua sozinha. Agora tenho que pensar no que vou fazer para o jantar se quero comer. Tenho que arrumar as minhas coisas e lavar a loiça porque ninguém o vai fazer por mim. Se quero alguma coisa, tenho que me desenrascar em vez de gritar OH MÃE!

11. Como são os relacionamentos entre amigos na universidade? 
Os amigos, antes de serem meus amigos, era a minha família cá. Jantares na casa uns dos outros. Vamos as compras juntos. Estudamos juntos. Saídas as quintas a noite. E acima de tudo, apesar da "competição" ajudamos-nos mutuamente no que podemos.

12. A universidade mudou-te como pessoa? 
Não, apenas encontrei coisas em mim que não sabia que era capaz. Continuo a ser a mesma pessoa apenas um bocadinho mais independente.

13. Que lema/lição levas desta etapa da tua vida? 
"Não precisas de saber para onde vais, precisas de ir" e "Falta de tempo, é para quem tem muito livre".

14. O que aconselhas aos estudantes que vão entrar na universidade? 
Sejam vocês mesmos, não tenham medo do inesperado. Força nas canetas e vivam, a universidade não é só estudo, ou só festas, é um marco, uma nova etapa vão levar para sempre na vossa vida.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras