Pular para o conteúdo principal

Defesa de sentimentos.


Uma amiga que me conhece bem o suficiente disse-me ontem aquilo que há tempos tenho vindo a pensar de mim: "... a tua cena não é mesmo ser querida ahaha, mas olha que és sempre, à tua maneira mas és." Com este tema vão ficar a conhecer-me tão bem que nem imaginam. 
Eu não ando com uma armadura no coração mas talvez umas tábuas para o deixar controlado talvez. Já alguma vez se sentiram apaixonados? Aquela coisa de por a vontade da pessoa a vossa frente, ela dá-vos um sorriso e pensam que é amor? Aquilo de viver dependente do outro para ser feliz, aquilo de enviar uma mensagem e ela não me respondeu passado 2 segundos, já não gosta de ti? É verdade a paixão deixa as pessoas malucas, cheias de hormonas e adrenalina. Eu também já senti isso ao ponto de me sentir tão carente que não sabia comportar-me com uma pessoa decente. Uma dessas situações, o rapaz deu-me tantas esperanças que eu achava que ia mesmo resultar e estava disposta a isso, mas acabei por perceber que ele era assim para mim e para muitas mais. Ele era tão convencido que qualquer coisa que lhe dissesse, inocente ou não, na lógica dele, já me estava atirar a ele. E isto fez com que eu tivesse uma visão diferente em relação aos rapazes, deixo-os aproximar, tenho alguns que considero praticamente amigos que conheci na universidade e outros amigos de verdade que conheço a mais tempo, mas ponho um travão a mim mesma, e acho que as pessoas percebem isso, que não deixo passar para fora de amizade, muitas vezes podia ser mais amorosa, mas não o faço porque não quero que sintam que tenho segundas intenções, visto que não as tenho. Eu não vou voltar a sentir-me humilhada. Desde muito nova, quando entrei nas redes sociais, comecei a ver a palavra "Amo-te" escrita em tudo que é canto. Até hoje só consegui dizer essa palavra a uma pessoa, e atualmente já não o sinto. É uma palavra tão especial, tão bonita que na minha opinião só deve ser usada de forma verdadeira. Gostamos das pessoas, adoramos as pessoas, mas amar? É tão forte, tão intenso, não sei se algum dia irei voltar a conseguir dize-lo a alguém. Sou um bocado fria, por vezes até demais. As minhas demonstrações de carinho partem muito mais de conversas sérias, sarcasmo sem magoar as pessoas, sinceridade, chamar nomes que ao meu ver são carinhosos, como nabiças, seres e cocos do que eu admitir que tenho sentimentos que gosto das pessoas, que são o meu apoio e que as considero minhas amigas.A única demonstração que uso é abraçar, gosto realmente de o fazer e faz-me sentir que a outra pessoa também gosta de mim. Para me defender da desilusão, para não voltar a sentir aquela turbulência de emoções, para me sentir estável e saber lidar com o dia seguinte. É, é isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…