Pular para o conteúdo principal

Curvas de decisões!

Em determinadas ocasiões da minha vida o meu cérebro faz paragens mentais de elevado grau. Quero com isto dizer que enquanto luto pelos meus objectivos tenho garra, se os concretizar fico com um: "Ok". Mas Catarina esforça-te para ficar contente, conseguiste o que lutaste durante 3 anos. Sim consegui mas ok, responde o meu querido e simpático motor que me proporciona estas situações. É, o meu cérebro é adorável.
Quando recebi as notas da primeira fase de exames senti a sensação de dever cumprido, mas não senti a vontade de saltar de alegria. Estava com problemas na altura, e não me consegui abstrair deles para sorrir. Mas tarde percebi que era mesmo verdade e comecei a sorrir. 
Ainda não contei, mudei em parte de ideias. Passei a maior parte do ano a dizer que ía para Reabilitação Psicomotora, porque não tinha pré-requisitos, era um curso que poucas pessoas conheciam, ficava longe de casa, só vantagens não é? Não, não é. 
Ficar entre Lisboa e Évora, ía levar grande custos aos meus pais e eu não tenho direito a fazer-lhes isso para fugir ao que me foi destinado. 
Então Catarina, qual foi o curso que decidiste? Então, caro jovem, Enfermagem. O curso que tinha posto de parte desde inicio por causa do desemprego. Mas é o único, o único que dá para mim. Vejam lá a obra divina. Eu só quero trabalhar num hospital e não vejo curso mais ideal. Aqui ou do outro lado do mundo. Existem algumas pessoas muito importantes na minha vida que me disseram que se formos bons no que gostávamos conseguimos. Enquanto luto o meu cérebro tem animo, por isso toca a usa-lo. A vida é uma luta não podia ter arranjado melhor guerreira. 
Pois Catarina, então já está tudo tratado? Não filhos, ordem da universidade. Visitei algumas, os edifícios eram horríveis. Acreditem ou não quando mudei de escola da primária para o básico, escolhi a escola pelo aspecto e quando mudei do básico para o secundário, também foi por causa do aspecto do edifício. Agora o critério acabou. Algum dia havia de crescer. 
Vou fazer a candidatura entre hoje a amanhã e escolhi pela ordem de custos de acordo com a minha média e não poderia estar mais satisfeita com todo o percurso mental até chegar esta etapa. Tudo que havia para decidir está decidido, agora o destino que me coloque onde quiser, desde que me coloque em algum sitio. 
A minha vida académica ainda está para começar. Demoro um bocado acreditar e dirigir as coisas mentalmente depois de isso acontecer fico feliz. Em Setembro, quando saírem os lugares, espero saltar de alegria e deixar o Ok para outras ocasiões. 

Musica: Passenger - Let Her Go 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…