Pular para o conteúdo principal

Sorrisos no dia-a-dia #Janeiro 2015

O ano passado no canal da Alice que é uma youtuber brasileira assisti a um video que ela incentivava a cada dia escrever num papel ou no telemóvel algo que nos faz sorrir e no final do mês recordar as experiências. Uma amiga minha, a Juliana, também o fez e colocou no seu blogue, se puderem passem por lá. Houve dias que por preguiça não escrevi e depois quando me tentava lembrar do que acontecer o meu cérebro bloqueava. Então este mês alguns momentos que me fizeram sorrir foram:

(1) Jogo do bingo na passagem de anos apostar 10 cêntimos. Normalmente passo a passagem de ano em vários sitios passeio com os meus pais de um lado para outro e paramos na casa dos meus tios e começamos a jogar ao bingo e apostar 10 cêntimos por cartão. Foi tão divertido. Perdi sempre. Mas foi divertido. 
(2) Andar a pé com as minhas amigas. Foi um dia que meu deu na cabeça ir andar a pé para o parque da cidade e fui com a Juliana e Márcia. 
(3) Sentir o carinho de uma pessoa logo no primeiro contacto. Já não me lembro exactamente de quem, mas acho que foi num aniversário de uma amiga que não temos pessoas em comum, umas raparigas fizeram com que eu não ficasse de parte e isso foi muito bom.  
(4) Ir a Aveiro matar saudades e o inicio do desafio final. Foi um domingo que eu meti na cabeça que tinha de ir buscar a tralha que lá deixei, andei muito tempo a pé, não deu para quase nada, mas foi tão bom voltar aquele sitio em que aprendi a tomar conta de mim. 
(5) A Márcia contar-me o seu primeiro dia de aulas; passar o dia de pijama e a joaninha a falar com a voz. As conversas que tenho com as minhas amigas fazem-me sempre sentir bem e as coisas que acontecem com a Márcia são hilariantes. Só vejo o Desafio Final para vez os momentos da Joaninha, aquela miúda é uma alegria. 
(6) A história do Luís e da Joana. Foi um video que vi no youtube dos seus momentos, como rapariga que sou fiquei rendida. 
(7) Finalmente organizar as ideias para bioquímica. Um dia em que percebi que aquilo até era capaz de ser percebido por mim. 
(8) Conversa com o meu pai sobre a seringa e o Habbo. O meu pai tem estado a ir constantemente ao hospital fazer uns tratamentos ao joelho por ter tido um acidente e conversar com ele sobre isso faz-me sempre rir. O Habbo é um site que em entre 2009 e 2012 joguei e como não tinha nada para fazer fui lá passar tempo. 
(10) Tarde com a Márcia. Estudar Bioquimica é preciso alguém que saiba de química. 
(11) Beijinhos e carinho das crianças. Dou catequese e eles conseguem ser muito queridos e adoráveis comigo.
(13) Conversas com o Tiago. É um rapaz que conheci no Habbo e ele lá no fundo é uma boa pessoa.
(14) Encontrar de novo os meus amigos de Aveiro e conversa sincera e especial com a minha senhoria. O dia em que voltei a Aveiro porque tive aula de apoio a Bioquímica no dia seguinte. Adorei voltar a ve-los e adorei o tempo que esteve com a dona da casa onde moro.  
(19) Aniversário da Cristina. Uma amiga de Aveiro fez anos. Foi fantástico o jantar que fizemos com ela. 
(23) Tarde com a Juliana. Voltar aos velhos tempos foi tão bom. As nossas ideias, a nossas construção mental é maravilhosa, 
(24) Pizza em Família. Chega a sábado. E o jantar é uma pizza da Telepizza como manda a tradição.
(25) Os meus meninos da catequese, recuperação da minha avó. Como sabem a minha avó não tem estado muito bem, mas neste dia eu senti que ela ia melhorar e assim foi. Obrigada.
(26) Jogar quebra-cabeças com o meu pai. Uma noite em que ele me chamou para o ajudar no jogo dos Fósforos, não sei se conhecem, e eu olhava e vinha-me a resolução a cabeça. Foi tão bom gozar com ele.
(27) Conversa com a Márcia e o Filipe. Separadamente. Os meu amigos fazem-me sorrir.
(28) Tosta mista feita pela minha mãe perto da meia-noite. Dia em que eu estava cheia de fome. Normalmente depois do jantar nunca como, mas a minha mãe fez-me uma tosta mista e comer aquilo perto da meia noite fez-me feliz. A comida faz as pessoas felizes.
(29) Volta a pé pela terinha. Dia de manhã, acordar e andar a pé com a minha mãe, foi muito bom.
(30) Visitar a minha avó. A minha avó é a minha avó e pronto.
(31) Compras e noticias inesperadas mas surpreendentes. Ontem apeteceu-me ir comprar um lápis para os olhos, como devem saber eu não tenho nada dessas coisas.  E as noticias tenho que ver o que vão dar, um dia destes conto. 

Bem foi isto, um belo mês que acabei de recordar. Espero que tenham gostado, tentem também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…