Pular para o conteúdo principal

A inteligência e emoção.

Existem três teorias que definem a inteligência. A teoria factoriais ou psicometricas que a inteligência é igual ao factor g. Teoria cognitiva que diz que a inteligência vem dos comportamentos adaptativos. E Teoria contextual que diz que ai inteligência é um conjunto de aptidões. A inteligência não é algo fixo, mas algo que se pode aprender.
As emoções são importantes porque são estados subjectivos que preparam o corpo para determinadas respostas. Há três tipos de comportamentos emocionais. Reação fisiológica devido as modificações atribuíveis as emoções. A interpretação cognitiva influenciada pela comunicação. E a vivência subjectiva devido as reações a um estimulo emocional. As emoções têm como funções adaptar ou seja ajudar o organismo a enfrentar as exigências impostas pelo ambiente, motivar, mobiliza as pessoas a responder a situações urgentes e perturbar, sendo um estado continuo de emoções negativas que perturbam a ação. O comportamento emocional informa os outros como nos sentimos, informa sobre a continuação, facilita a interação social e o comportamento altruísta. 
A mente emocional tem várias características, como respostas rápidas mas trapalhonas (entra na ação sem pensar, baseia-se nas suas impressões, reagindo a imagem global), primeiro sentimos e depois pensamos (o primeiro impulso é "de coração", as emoções acontecem não são escolhidas), realidade simbólica (pensar como uma criança; há uma maior importância de interpretação subjectiva da realidade do que da sua identidade objectiva, é um pensamento categórico, personalizado e personalizador autoconfirmador), passado imposto ao presente (reação ao presente como se fosse no passado) e realidade ligada a um estado (funcionamento determinado pelo estado de espírito). 
A inteligência emocional tem a capacidade de controlo de impulsos, de autoconsciência, motivação, entusiasmo, perseverança e empatia. Gerir sentimentos pressupõe a aptidão de gerir as emoções dos outros. Requer maturação de habilidades emocionais: autocontrolo e empatia. Golemen afirma que a inteligência emocional tem cinco capacidades. Reconhecer a mim própria, gerir os meus sentimentos, ter automotivação, reconhecer as emoções dos outros, empatia e capacidade de reagir correctamente face aos sentimentos dos outros. A inteligência emocional é a capacidade de uma pessoa se motivar a si mesma a persistir as frustrações, de controlar os seus impulsos e adiar o recompensado; regular o seu próprio estado de espírito e impedir o desanimo não limite a sua capacidade de pensar, sentir empatia e ter esperança. A ciência diz que quando estamos emocionalmente perturbados não pensamos corretamente. As respostas emocionais desagraveis tem impacto no bem estar subjectivo, no estado de saúdo do individuo e na adesão aos tratamentos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…