Pular para o conteúdo principal

A comunicação.


O modelo sistemático da comunicação diz que toda a interação humana é comunicação, comportamento gera comportamento que tem significado a partir do contexto. Existem várias leis para a comunicação, a lei do emissor, da credibilidade, da congruência, do recetor, repetição, simplificação, distorção, efeito boomerang, ordem das mensagens e deferencial de percepção. Na categoria não verbal temos a comunicação proxémica que se refere ao espaço, a cinésica aos gestos, paralinguistica à "maneira de falar", a aculésica que é o contacto pessoa, a aparência e o contacto físico. Na comunicação não verbal importa a voz, o tom e a aparência que pesam muito na impressão. A maioria da comunicação é não verbal. A linguagem corporal presenta muito no impacto com a pessoa. A opinião inicial da pessoa demora 4 minutos a ser criada.
Existem várias competência da escuta ativa e empática: motivação de ouvir o outro sem preconceito; o contacto visual com o outro, sem intimida-lo; ter interesse genuíno por aquilo que o outro está a a dizer e as suas emoções; saber lidar com os silêncios; ter consciência e evitar filtros emocionais; aprender o conjunto da comunicação; não projectar necessidades e intenções de virar a conversa para si; não interromper sem necessidade ou evitar falar excessivamente.
Estilos de comunicação: a mesma pessoa tem tendência a adotar diferentes estilos de comunicação. Exemplos, estilo agressivo, passivo, manipulador ou assertivo.
A comunicação com os outros é associar o controlo de si e seriedade, capacidade de pensar positivamente e o respeito pelos outros.
As características do estilo assertivo são  expressar as necessidades, preferencias, emoçoes e opiniões de forma direta e explicita de modo a respeitar tanto os seus direitos como os dos outros.  Aumenta o autorespeito, autoconfiança e o respeito pelos outros. Reduz a inseguraça e a necessidade de aprovaçao dos outros. Proporciona uma maior proximidade na relação interpessoal e maior satisfaçao na comunicação de emoções. Negocia a base de interesses mutuos e em caso de acordo procurasse compromissos realistas. Este tipo de comunicação é um comportamento aprendido, é uma escolha. Não evita conflitos, reconhecendo o desconforto leva ao compromisso de posição de respeito. Reconhecer os direitos e as responsabilidades, ser claro especifico e empatizar, pedir mudanças de comportamento, oferecendo-nos para mudar.
A adesão ao tratamentos é quando os métodos do doente coincide com os conselhos dos profissionais de saúde. A nossa escrita a ensinar deve ser clara, concisa, compreensível, e entregar a mesma por escrito. A nossa fala ao ensinar deve indicar a importância, simplificar, repetir, ser claro e fazer perguntas adicionalmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras