Pular para o conteúdo principal

Um grupo.

Um grupo é um conjunto de pessoas com objectivos comuns, que interagem entre si, percepcionam-se como grupo e são identificados desse modo pelos outros. Grupos de amigos ou trabalho, seguem quatro fases de vivência, a nominal, fusional, conflitual e unitária. A fase nominal é o inicio da relação conhecida como a fase das mascaras, as pessoas tentam dar-se bem com toda a gente, escondendo as suas fraquezas e defeitos mostrando o seu lado com cheio de simpatia. De seguida, a fase fusional é como se existisse uma fusão uma união de corpos. As pessoas gostam imenso umas das outras, conhecem-se um pouco melhor e querem estar sempre juntas combinando encontros,
saídas para interagirem mais. Daqui mais tarde ou mais cedo chega a fase conflitual. Os membros do grupo começam a chocar uns com outros, existe opiniões mais sinceras, as pessoas começam a não gostar de terminadas atitudes e ter opiniões diferentes nos dados objectivos comuns. Assim criam-se grupos mais pequenos do que o original. O grupo inicial divide-se. Aqui o grupo tem duas opções, ou conversam e fortalecem a sua relação compreendendo os pontos menos favoráveis do grupo tentando melhora-lo e a este facto chama-se a fase  unitária, dificilmente acontecerá outra fase conflitual porque as pessoas já sabem lidar umas com as outras. Ou os pequenos grupos continuam separados não existindo qualquer união entre os mesmos. Assim existe uma diminuição da energia grupal ou seja as relações diretas entre o grupo inicial percecionando algo em comum terminam. Um grupo tem determinadas normas que para funcionarem como grupo são cumpridas. Estas normas podem ser formas ou informais, são indicadas como "leis a cumprir" ou não é necessário porque já se prevê que seja assim, respetivamente. Podem ser ainda explicitas ou implícitas, as explicitas são faladas e as implícitas sabes que funcionam assim, porque sim. Este tipo de normas regulam o comportamento do grupo. Pela prescrição, simplificação, redução das diferenças e incertezas e previsibilidade.  Ou seja o comportamento do grupo torna um habito pela união do grupo. A união do grupo denomina-se como coesão grupal, desejo de se envolverem como grupo. O excesso de coesão pode ter vantagens e desvantagens.  Como vantagem o melhor funcionamento no que toca ao objeto final pela cooperação e desvantagens o cansaço de estar sempre com as mesmas pessoas. Existem três tipos de climas num grupo. Ou seja a energia despendida pode ser ausente, suficiente ou em excesso. Ausente é quando há apatia, reserva e dispersão o grupo acabará por se desunir. A suficiente é o equilíbrio, leva eficácia, solidariedade e harmonia entre as pessoas.  O excesso de energia leva a ser difícil trabalhar pela euforia e febrilidade. A cooperação aumenta a segurança das capacidades individuais de cada membro, contribuiu para o sentimento de união do grupo, gera um ambiente alegre de cooperação e cumplicidade, ninguém é excluído, todos ganham em consequência da entreajuda. A competição diminui a autoestima, aumenta o medo de falhar, promove a comparação entre as pessoas, favorece a exclusão e pode desencadear comportamentos agressivos. A competição benéfica promove o desafio e a vontade de atingir determinados objectivos, estimula a criatividade e conduz  a ação, fazendo com que as pessoas andem para a frente. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras