Pular para o conteúdo principal

Impor.


Lembro-me perfeitamente de escrever sobre  isto. Estava mal porque me provocaram e eu bloqueei sem saber o que dizer ou fazer. Jurei naquele dia que não voltaria a ficar por baixo de ninguém. E com pessoas próximas da minha idade isso não voltou acontecer. No entanto, quando se trata de pessoas que têm idade para ser meus pais o caso muda de figura. Não tenho por habito ser mal educada com pessoas que são uns bons anos mais velhas do que eu e nem sequer as conheço. Hoje pela primeira vez entrei no comboio sem tirar o bilhete, a estação estava cheia de gente, e demoro mais de duas horas a chegar a casa. Dirigi-me logo ao revisor sem esperar que ele viesse ter comigo. Tinha dinheiro, tudo comigo, mas como competente que é, só passado 3, 4 paragens da inicial é que começou a ver os bilhetes. Começou a ser rude com as pessoas, a querer que elas desviassem as bicicletas, inclusive, uma das pessoas que era dono da bicicleta estava um pouco afastado. Ele não estava a encontrar a pessoa e disse que na paragem seguinte retirava a bicicleta para fora do comboio. Rei mesmo. Dirigi-me ao Rei, expliquei-lhe a situação ele começou aos gritos comigo a dizer que não tirava o bilhete e que me ia passar uma multa. Naquele momento senti-me uma formiga com um sapato gigante a querer me calcar. Estava sozinha e só via pessoas a minha volta completamente desconhecidas. Senti-me minima a beira dele. Esclareceu a mim e as outras pessoas que não que não me tirava o bilhete. Comecei a ficar nervosa e rebaixei-me. Tinha uma nota de 20 euros e o bilhete custa 5. Cheguei ao ponto de pedir a desconhecidos para me destrocar a nota, porque o Rei não aceitava a de 20. Um rapaz destrocou-me com cara a olhar para ele a perguntar-se se ela preciso tanta coisa.  Senti-me completamente indefesa. Quando voltei para beira dos meus amigos, não aguentei e desfiz-me em lágrimas. A senhora que estava ao meu lado disse-me que ele já fez o mesmo com a filha dela e ela chegou a fazer queixa dele.  E acabou por gozar com ele dando-lhe um cartão sem bilhete só para ver o que ele fazia. E com ela, ele foi educado. Tenho apenas 18 anos e ar de menina, não tenho por habito importo-me a pessoas mais velho do que eu. Mas se há uns anos jurei que nao me rebaixavam mais, agora o mesmo acontecerá com pessoas mais velhas. 
( desabafo de ontem...)

Continuação...
Tenho passado o tempo todo a pensar nisto, maneiras de agir, de me impor, se o colocar no lugar. Tenho a certeza que o destino o fará e que um dia vai ter as consequências pela pessoa rude que é. Não irei fazer queixa dele, mas vou querer saber quem ele é. E até que ponto ele me podia tratar daquela forma numa situação idêntica. Comigo não voltará a ter problemas. Mas se um dia me voltar a cruzar com ele e o vir a ser rude com as pessoas apresento queixa e informo-o que desta vez tenho o bilhete. Há pessoas que nao merecem o trabalho que têm. 

Comentários

  1. Obrigada querida :)

    Acredita que há mesmo pessoas assim. E com tempo paciência saberás como reagir às situações. Estamos sempre a aprender!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Frustração e Conflito.

A motivação é o que leva o sujeito a agir,  a iniciar um ação, continuar ou acabar. É o motor de todos os nossos comportamentos. As atitudes e os comportamentos são determinados pela motivação. Isto é um processo dinâmico, há que ter em conta as diferenças individuais e os motivos que regem as ações das pessoas. Vem da necessidade, da carência e da ausência de, do estado interno da pessoa que resulta dessa necessidade, do impulso que serve para satisfazer as necessidades fisiológicas básicas (como comer, beber, dormir) e do instinto (padrões de comportamento hereditários). A motivação vária com o contexto, tarefa, a orientação e a intensidade. Tem factores intrínsecos (características interiores do individuo) e extrínsecos (ambiente, como frio e sol). Os extrínsecos podem ser factores do acaso, ou seja não planeados ou factores contingentes (previsíveis). Podem ainda ser individuais (relacionados com a sobrevivência não aprendida) ou sociais (aprendidos através das interacções sociai…

Retrato da semana #2

Imagem retirada: Facebook - Cifras

Apenas conversar.

Hoje vim contar-vos um pouco da minha forma estranha de ser. Conheço algumas pessoas com estar forma de viver no mundo e confesso que tenho alguma dificuldade em lidar com elas por serem tão parecidas comigo, com as outras também, mas pronto. Chamo-lhe síndrome da escassez de palavras. Tenho dificuldade em falar com pessoas que falem muito e não sabem ouvir. Gente que gosta muito de falar, que tem assunto sobre tudo, mas só se quer fazer ouvir. Acabo por olhar para o horizonte e responder com poucas palavras monossilábicas. Algumas fazem-me sentir que o que estou a fizer não tem interesse nenhum. Se eu tento criar assunto com alguém e recebo desprezo vou deixar de ter vontade de interagir e comunicar com essa pessoa. Por vezes, tenho alguma vergonha de me mostrar, dá-me para medir as palavras, por não saber exactamente ideia que a pessoa tem de mim ou simplesmente por achar que essa pessoa tem uma ideia errada acerca deste ser, não me sinto à vontade com a pessoa e só me apetece fugi…